A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar?

Por | Geral, Secretariado

Primeiro veio o vapor e a energia da água. Depois, eletricidade e linhas de montagem. Em seguida, a informatização… Mas o que vem a seguir? Alguns a chamam de 4ª Revolução Industrial, ou Indústria 4.0, mas como quer que você a chame, ela representa a combinação de sistemas Ciber Físicos, a Internet das Coisas e a Internet dos Sistemas.

Veja também a origem da profissão de secretariado!

De forma resumida, é a ideia de fábricas inteligentes nas quais as máquinas são aumentadas com conectividade da web e conectadas a um sistema que pode visualizar toda a cadeia de produção e tomar decisões por conta própria. Além disso, ela está bem encaminhada e mudará a maioria de nossos empregos.

Abaixo, você verá tudo o que precisa saber sobre ela. Todos nós estudamos a 1ª Revolução Industrial na escola. Em que a máquina a vapor patenteada por James Watt em 1769 desempenhou um papel importante. Aquela que significou a transição de uma economia agrícola para uma industrial. A 1ª Revolução Industrial, em suma, foi a transformação econômica, tecnológica e social mais revolucionária que o mundo já viu. Mais de dois séculos depois, a 4ª Revolução Industrial está causando um rebuliço ainda maior.

O que é a 4ª Revolução Industrial?

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? - Foto: ME MAS
A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: ME MAS

O conceito da 4ª Revolução Industrial foi cunhado em 2016 por Klaus Schwab, o fundador do Fórum Econômico Mundial, em um livro com o mesmo nome. Então, onde melhor encontrar uma boa definição do que dentro de suas páginas? “A 4ª Revolução Industrial cria um mundo no qual os sistemas virtuais e físicos de manufatura cooperam entre si de forma flexível em nível global”. 

A 4ª Revolução Industrial, no entanto, não se trata apenas de máquinas e sistemas inteligentes e conectados. Seu escopo é muito mais amplo. Assim, ocorrendo de forma simultânea estão ondas de novos avanços em áreas que vão do sequenciamento de genes à nanotecnologia, de energias renováveis ​​à computação quântica. É a fusão dessas tecnologias e sua interação nos domínios físico, digital e biológico que tornam a 4ª Revolução Industrial bem diferente das revoluções anteriores.

Mas como ocorreu a 4ª Revolução Industrial?

 A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? - Foto: RF MAS
A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: RF MAS

Para analisar como chegamos à 4ª Revolução Industrial, é uma boa ideia olhar para as três revoluções industriais anteriores, como elas mudaram nossas vidas e o mundo quando ocorreram. Dessa forma, vamos dar uma olhada rápida nelas:

  • 1ª Revolução Industrial: ocorreu no final do século XVIII, em 1784, quando o vapor era aproveitado para a produção mecânica. Assim, a invenção do 1º tear mecanizado foi um divisor de águas;
  • 2ª Revolução Industrial: em 1870, a produção em massa movida a eletricidade foi introduzida pela primeira vez. Dessa forma, a linha de montagem foi inventada e o setor industrial acelerou de forma exponencial;
  • 3ª Revolução Industrial: em 1969, os avanços na computação levaram à programação de máquinas, que abriu as portas para a automação progressiva.

Por volta de 2014, o setor passou por outra “virada” com o surgimento de fábricas inteligentes e gestão de produção online. Assim, voltando a Schwab e seu livro ‘A Quarta Revolução Industrial‘, o economista alemão previu o que estava por vir: “Estamos no início de uma revolução que está mudando de forma fundamental a maneira como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos”. 

Em sua escala, escopo e complexidade, o que consideramos a 4ª Revolução Industrial é diferente de tudo o que a humanidade já experimentou. E isso por três razões sobre as quais os especialistas concordam: sua velocidade, alcance e impacto sem precedentes.

Quais os efeitos e vantagens da 4ª Revolução Industrial?

  A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? - Foto: AT MAS
A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: AT MAS

Todas as revoluções têm vantagens e desvantagens, desafios e oportunidades, incertezas e certezas. No caso da 4ª Revolução Industrial, as vantagens são bem evidentes: aumento da produtividade, eficiência e qualidade nos processos, maior segurança dos trabalhadores pela redução de empregos em ambientes perigosos, maior tomada de decisão com ferramentas baseadas em dados, maior competitividade pelo desenvolvimento de produtos customizados que satisfazem as necessidades dos consumidores e etc.

No que diz respeito às desvantagens, os especialistas apontam muitas: a velocidade vertiginosa das mudanças e a necessidade de adaptação, riscos cibernéticos crescentes que nos obrigam a aumentar a segurança cibernética, a alta dependência da tecnologia e a chamada lacuna digital, a falta de pessoal qualificado e etc. Por fim, em relação a este último, vale lembrar que o profundo impacto da Indústria 4.0 no emprego é um dos maiores desafios da 4ª Revolução Industrial. No início do processo, um relatório da McKinsey Global confirmou que até 800 milhões de empregos terão desaparecido até 2030 como resultado da automação. No entanto, isso também pode ser uma oportunidade, porque, à medida que novas tecnologias surgem, também surgirão novas profissões que criará milhões de empregos em novos setores.

Quais são as tecnologias que impulsionam a mudança?

   A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? - Foto: JC MAS
A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: JC MAS

A maneira mais fácil de entender a 4ª Revolução Industrial é se concentrar nas tecnologias que a impulsionam.  Portanto, isso inclui o seguinte:

Inteligência Artificial

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: TO MAS

IA descreve “PCs” que podem “pensar” como humanos. Dessa forma, eles podem reconhecer padrões complexos, processar informações, tirar conclusões e fazer recomendações. Além disso, a IA é usada de várias maneiras, desde detectar padrões em enormes pilhas de dados não estruturados até alimentar a correção automática em seu telefone.

Blockchain

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: IP MAS

O Blockchain é uma forma segura, descentralizada e transparente de registrar e compartilhar dados, sem a necessidade de recorrer a intermediários terceirizados. Assim, a moeda digital Bitcoin é o app de blockchain mais conhecido. No entanto, a tecnologia pode ser usada de outras maneiras, incluindo a rastreabilidade das cadeias de suprimentos, a proteção anônima de dados médicos confidenciais e o combate à fraude eleitoral.

Processamento de PC mais rápido

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: SOS MAS

Novas tecnologias de PC estão tornando os PCs mais inteligentes. Eles permitem que os PCs processem grandes quantidades de dados com mais rapidez do que nunca, enquanto o advento da nuvem permitiu que as empresas armazenassem e acessassem com segurança suas informações de qualquer lugar com acesso à Internet. As tecnologias de computação quântica agora em desenvolvimento tornarão os PC milhões de vezes mais poderosos. Além disso, esses PCs terão o potencial de sobrecarregar a IA, criar modelos de dados altamente complexos em segundos e acelerar a descoberta de novos materiais.

Realidade virtual e realidade aumentada (RV e RA)

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: RE MAS

Qual é a diferença? A RV oferece experiências digitais imersivas (usando um fone de ouvido de RV) que simulam o mundo real, enquanto a realidade aumentada (RA) mescla os mundos digital e físico. Assim, os exemplos incluem o app de maquiagem da L’Oréal, que permite aos usuários experimentar digitalmente produtos de maquiagem antes de comprá-los, e o app de telefone Google Translate, que permite aos usuários escanear e traduzir de forma instantânea placas de rua, menus e outros textos.

Biotecnologia

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: BT MAS

A biotecnologia aproveita os processos celulares e biomoleculares para desenvolver novas tecnologias e produtos para uma variedade de usos, incluindo o desenvolvimento de novos produtos farmacêuticos e materiais, processos de fabricação industrial mais eficientes e fontes de energia mais limpas e eficientes. Pesquisadores em Estocolmo, por exemplo, estão trabalhando no que está sendo apontado como o biomaterial mais forte já produzido.

Robótica

    A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? - Foto: BI MAS
A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: BI MAS

Robótica se refere ao projeto, fabricação e uso de robôs para uso pessoal e comercial. Embora ainda não vejamos assistentes de robôs em todas as casas, os avanços tecnológicos tornaram os robôs cada vez mais complexos e sofisticados. Assim, eles são usados ​​em campos tão abrangentes como manufatura, saúde e segurança e assistência humana.

A Internet das Coisas IoT

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: EN MAS

A IoT descreve itens do dia a dia – desde vestíveis médicos que monitoram a condição física dos usuários até carros e dispositivos de rastreamento inseridos em pacotes – conectados à Internet e identificáveis ​​por outros dispositivos. Uma grande vantagem para as empresas é que elas podem coletar dados de clientes de produtos constantemente conectados, permitindo-lhes avaliar melhor como os clientes usam os produtos e adaptar as campanhas de marketing de acordo. Além disso, existem também muitas aplicações industriais, como fazendeiros colocando sensores de IoT nos campos para monitorar os atributos do solo e informar decisões como quando fertilizar.

Impressão 3D

      A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? - Foto: RF MAS
A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: RF MAS

A impressão 3D permite que as empresas de manufatura imprimam suas próprias peças, com menos ferramentas, a um custo menor e mais rápido do que por meio dos processos tradicionais. Além disso, os designs podem ser personalizados para garantir um ajuste perfeito.

E bem mais

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: SI MAS

Materiais inovadores, incluindo plásticos, ligas metálicas e biomateriais, prometem sacudir setores como manufatura, energia renovável, construção e saúde.

Captura, armazenamento e transmissão de energia representam um setor de mercado em crescimento, impulsionado pela queda do custo das tecnologias de energia renovável e melhorias na capacidade de armazenamento da bateria.

O que poderia impedir esta última revolução?

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: BBC MAS

Com a IA ainda em sua infância e a análise de dados ainda bem dependente da supervisão humana, ainda estamos um pouco longe de sistemas verdadeiramente autônomos e de auto otimização. Além do mais, esta é uma área em constante evolução, sem padrões acordados quando se trata de formatos de dados ou protocolos de codificação.  Fazer com que diferentes sistemas se comuniquem com eficácia para aumentar a eficiência é um problema.

A segurança cibernética em uma rede altamente desenvolvida que combina o mundo online e o mundo físico é uma preocupação significativa e apresenta um desafio difícil. Já vimos exemplos de danos no mundo real causados ​​por ataques cibernéticos que têm como alvo sistemas conectados, e isso provavelmente se tornará um problema maior à medida que mais sistemas físicos forem conectados em rede.

Mas os desafios não são apenas tecnológicos. No centro dessa revolução está o fluxo livre de dados. Isso leva a preocupações em torno da privacidade, que exigirão recomendações regulatórias – para proteger a propriedade intelectual das empresas em um sistema em rede global, para proteger as informações pessoais confidenciais de clientes individuais e para confirmar que os sistemas de auto otimização não saem do controle.

Além disso, os temores sobre a IA também podem levar a novas leis que exigem a supervisão humana para combater as preocupações éticas sobre a tomada de decisões automatizada. Isso pode levar a restrições legais à autonomia dos sistemas conectados para evitar que os PCs tomem decisões significativas. Isso, por sua vez, poderia diminuir o potencial da revolução de gerar mudanças significativas.

Como devemos nos preparar?

A 4ª Revolução Industrial: por que devemos nos adaptar? – Foto: MJ MAS

O passo fundamental é estar ciente de que essa revolução está chegando, e pode chegar mais rápido do que pensamos. As organizações devem investir em seus recursos de análise de dados e infraestrutura técnica agora para estarem totalmente preparadas.

Se a sua organização ainda não está se movendo para se tornar uma empresa conectada inteligente, ela precisa – ou corre o risco de se tornar uma daquelas que será superada pela ascensão da 4ª Revolução Industrial.

FAQ

O que é a 4ª Revolução Industrial?

O conceito da 4ª Revolução Industrial foi cunhado em 2016 por Klaus Schwab, o fundador do Fórum Econômico Mundial, em um livro com o mesmo nome. Então, onde melhor encontrar uma boa definição do que dentro de suas páginas? “A 4ª Revolução Industrial cria um mundo no qual os sistemas virtuais e físicos de manufatura cooperam entre si de forma flexível em nível global”.

De forma resumida, é a ideia de fábricas inteligentes nas quais as máquinas são aumentadas com conectividade da web e conectadas a um sistema que pode visualizar toda a cadeia de produção e tomar decisões por conta própria.

Quais os efeitos e vantagens da 4ª Revolução Industrial?

Na 4ª Revolução Industrial, as vantagens são bem evidentes: aumento da produtividade, eficiência e qualidade nos processos, maior segurança dos trabalhadores pela redução de empregos em ambientes perigosos, maior tomada de decisão com ferramentas baseadas em dados, maior competitividade pelo desenvolvimento de produtos customizados que satisfazem as necessidades dos consumidores e etc.

No que diz respeito às desvantagens, os especialistas apontam muitas: a velocidade vertiginosa das mudanças e a necessidade de adaptação, riscos cibernéticos crescentes que nos obrigam a aumentar a segurança cibernética, a alta dependência da tecnologia e a chamada lacuna digital, a falta de pessoal qualificado e etc.

Quais são as tecnologias responsáveis pela 4ª Revolução Industrial?

  • Blockchain;
  • Internet das Coisas (IoT);
  • Inteligência Artificial (IA);
  • Robótica;
  • Biotecnologia;
  • Realidade virtual e realidade aumentada (RV e RA);
  • Processamento de PC mais rápido;
  • Impressão 3D.

Gostou? O que achou? Deixe seu comentário!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *